A mutilação sexual das mulheres Africanas

Nas últimas semanas estive viajando a trabalho e entre os lugares que visitei, passei pela Itália, especificamente por Roma, aonde se realizava o FIGO.

Apesar do meu tom sempre brincalhão, não se trata da colheita da fruta, mas da reunião da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia. Entre os temas tratados, dois assuntos que me chamam a atenção em particular, PSAS (Persistente Sexual Arousal Syndrome ou Síndrome da Excitação Sexual Persistente) e FGM (Female Genital Mutilation ou Mutilação Genital Feminina), uma prática bastante comum na África, aonde meninas pre-adolescentes sofrem a mutilação do clitóris, para que quando adultas não venham sentir prazer sexual.

Ambos os problemas foram discutidos e apesar que a PSAS pode parecer algo muito interessante (qual homem não sonha em ter uma mulher que esteja sexualmente excitada 24 horas por dia?) na verdade constitui-se em um grave problema para as mulheres que podem chegar a ter centenas de orgasmos por dia. Há mulheres que relatam terem orgasmos com o toque do celular ou simplesmente ao subir em um elevador. Vejam uma reportagem sobre isto neste link , aonde uma mulher britânica afirma ter mais de 500 orgasmos por dia.

Mas se existem mulheres multi-orgasmicas, o extremo oposto são as mulheres que nunca poderão ter um orgasmo na vida, não por causa de uma sindrome ou doença, mas por que elas foram mutiladas.

E infelizmente isso ainda acontece, porque a circuncisão feminina continua sendo praticada em vários países do sub-sahara como tradição religiosa. Tenho me engajado política e ativamente em combater essa prática absurda, ainda comum naquela região do mundo e que tem suas origens no fato de se querer evitar que mulheres tenham prazer, pois isso impediria que elas tivessem interesse em praticar sexo com outros homens fora do casamento. Sexo para as mulhers era apenas obrigação sem prazer algum para com o seu marido designado, com o objetivo único de procriação.

A circuncisão feminina, embora hoje já tenha sido bastante reduzida nas áreas metropolitanas mais civilizadas e educadas da África sub-sahariana, ainda registra cerca de 3 milhões de casos por ano e é praticada em péssimas condições de higiene, aonde um “sacerdote” ou xamã, corta o clitóris da menina com faca ou gilete, sem anestesia ou qualquer tipo de assepsia, levando quase sempre a infecções terríveis e que deixam sequelas enormes. Há vários vídeos na internet mostrando esse ritual macabro e que deveriam ser mais divulgados para moviementar a opinião pública mudial contra essa prática e forçar com que os governantes dessas regiões tomassem as medidas necessárias para acabar com tal descalabro.

Não vou mostrar aqui esse vídeos. São muito chocantes e não quero ser taxado de postar cenas de abuso infantil. Mas façam uma busca no YouTube por “female circumcision”. Vejam esses vídeos e divulguem entre seus conhecidos o horror que isso é. Finalmente, se puderem, participem da Aliança Global contra a mutilação genital feminina. O site deles é:

image

http://www.global-alliance-fgm.org/

 

A FGM ainda acontece, pela falta de educação apropriada e por prática religiosas ultrapassadas, pois em tempos antigos, considerava-se que a mulher sexualmente excitada estivesse possuída pelo demônio.

Tenho muita pena das meninas que tem e que tiveram que passar por esse ritual e pela dor e sofrimento que isso representa, além de tolher-lhes uma vida sexualmente prazerosa. E sinto pena dos homens que seguem impondo essa tortura às suas filhas e mulheres.

Resta apenas o triste consolo, que como castigo, eles nunca saberão o quanto é bom ter uma mulher diaba na cama.

.

This entry was posted in Coisas de Mulher, Mulheres, reportagens, Sexologia and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s